31 de mai de 2015

Como usar Google Photos, com nuvem ilimitada para fotos e vídeos



Google relançou o Photos, serviço de armazenamento de fotos e vídeos. O recurso passou a funcionar independente do Google+ e possui versão para web e aplicativos dedicados ao Android e iOS. O recurso armazena gratuitamente na nuvem imagens de até 16 MP e vídeos em resolução full HD, criar histórias, filmes e buscar fotos por locais e pessoas. Confira como usar o novo Google Photos.
Web
Passo 1. Acesse o site do Google Photos e faça login em sua conta. Para enviar imagens, clique sobre o ícone representado por uma nuvem com uma seta apontando para cima e localize os arquivos em seu computador;

Passo 2. Após enviar as imagens, você pode organizá-las em álbuns. Para isso, clique sobre o botão “+”, à direta da barra de buscas. Em seguida, marque as fotos desejadas, clique em “Selecionar” e digite um nome para o álbum;
Passo 3. Para acessar seus álbuns, lixeira com as fotos deletadas, configurações e mais, clique sobre o botão localizado no canto superior esquerdo da página para abrir o menu do Google Photos;

Beta do WhatsApp traz recurso de ligações para o Windows Phone

 Já disponível há certo tempo para o Android e o iOS, o recurso de ligações por voz do WhatsApp finalmente chegou ao Windows Phone. Para acessar a opção, no entanto, é preciso ter a versão de testes Beta do aplicativo instalado em seu smartphone que usa a plataforma mobile da Microsoft.
Dessa forma, o recurso ainda está disponível de forma bastante limitada e só atinge um grupo específico de usuários da plataforma. Segundo o site WMPowerUser, a versão 2.12.38 do WhatsApp Beta é responsável pela introdução da novidade.
Até o momento, não está claro quando a novidade deve ser disponibilizada como parte da versão convencional do aplicativo. No entanto, o fato de ela já estar em fase de testes Beta indica que isso não deve demorar muito a acontecer caso tudo saia conforme o planejado por sua desenvolvedora.

3 de mai de 2015

Como ocorrem as execuções por fuzilamento na Indonésia?

Você deve estar acompanhando as notícias a respeito do fuzilamento na Indonésia de nove prisioneiros, dos quais um era o brasileiro Rodrigo Gularte, condenado por tráfico de drogas em 2005. O caso de Gularte gerou uma enorme comoção e muita polêmica e, infelizmente, os apelos desesperados de amigos e familiares não salvaram o paranaense da morte. No entanto, você sabe como exatamente ocorrem as execuções por fuzilamento?

Notificação

Na Indonésia, as execuções de condenados ocorrem em Nusa Kambangan, uma ilha localizada na província de Java Central onde foi construída uma prisão de segurança máxima na década de 20 a mando do governo colonial da Holanda. As autoridades devem anunciar a execução com no mínimo 72 horas de antecedência, e uma vez notificados, os prisioneiros são levados para celas de isolamento. No caso de estrangeiros, os governos também são informados.
Então, uma hora antes da execução, equipes compostas por 12 policiais especializados se apresentam na prisão. Elas tomam suas posições — entre cinco e 10 metros de distância do local no qual cada condenado será posicionado — e preparam seus fuzis M16.
Entretanto, um comandante — que não participará da execução — carrega todas as armas com apenas uma bala, e somente três dos fuzis recebem munição de verdade, e essa prática serve para evitar que o policial que disparou o tiro letal seja identificado. Além disso, todos os prisioneiros devem ser executados simultaneamente, mas por diferentes pelotões de fuzilamento.

Momentos finais

Os prisioneiros são levados até um local aberto da prisão, onde as mãos e os pés são amarrados. Então, eles são colocados diante de postes individuais e podem escolher se preferem permanecer sentados, ajoelhados ou de pé no momento da execução. Os condenados ainda podem usar uma venda nos olhos se desejarem.
Depois, o comandante faz uma marca nas roupas dos condenados na altura do coração, e eles têm direito a passar três minutos ao lado de um conselheiro religioso se quiserem. Em seguida, o comandante saca uma espada, e abaixa a arma, os pelotões abrem fogo. Sempre há um médico presente durante as execuções e, caso ele constate que algum dos condenados sobreviveu, então um soldado deve atirar na cabeça do réu com uma pistola.

Dilema

De acordo com um policial que fez parte de outros pelotões de fuzilamento na Indonésia, puxar o gatilho é a parte mais fácil da execução. Segundo disse, além dos 12 oficiais que farão os disparos, existe um segundo grupo que fica encarregado de conduzir e preparar os condenados, e esses sim ficam com a pior parte do trabalho.
Afinal, são eles os responsáveis por acompanhar os condenados e amarrar seus braços e pés — e esses momentos finais, nos quais inevitavelmente ocorre uma aproximação, o toque humano, um último olhar antes da morte, é brutalmente íntimo e assustador.
Por outro lado, segundo os policiais que disparam os tiros, suas tarefas envolvem ficar em posição, empunhar seus fuzis e puxar o gatilho. Uma vez isso é feito, eles aguardam cerca de 10 minutos, e se o médico presente constata que todos os condenados faleceram, a execução é dada por finalizada. Curiosamente, os policiais que disparam os tiros recebem até US$ 100 a mais do que os outros por suas tarefas.
Mais tarde, os oficiais que participam dos fuzilamentos recebem assistência psicológica e espiritual durante três dias, e existe um limite máximo de execuções das quais eles podem participar. Com respeito aos executados, seus corpos são transportados até um local onde são lavados e tratados de acordo com suas tradições religiosas.

***

A pena de morte na Indonésia somente é executada por fuzilamento, sendo aplicada em casos de assassinatos ou outros crimes que resultem em morte, envolvimento com terrorismo, roubo, tráfico ou posse de drogas, espionagem, crimes militares e de guerra, traição nacional e corrupção.

História de pescador: Peixe-lua de 1,5 tonelada é encontrado na Indonésia

Você é daqueles que conhece um pescador que fisgou um peixe bem grandão e que de tão pesado não conseguiu tirá-lo da água? Ou você mesmo já pescou um animal gigante e ficou com dó, devolvendo-o ao mar? Também já ouviu a história daquele peixe enorme que comeu um navio inteiro com uma só mordida?
Pois é... histórias de pescadores são sempre cheias de fantasias e exageros, mas desta vez eles têm provas! Um raro peixe-lua de 1,5 tonelada foi encontrado por pescadores indonésios encalhado na praia. “Ah, caro Mega, mas nem foram eles que pescaram...”, você pode estar reclamando. Mas isso importa?
Com 2 metros e 1,5 tonelada, peixe-lua é encontrado na Indonésia
O caso aconteceu em Palu, na Indonésia. Os peixes-lua normalmente vivem a 600 metros de profundidade e quando sobem à superfície podem ser confundidos com tubarões por conta de sua barbatana. Com formato redondo, cor acinzentada e pele áspera, ele também é chamado de “mola mola” ou “sunfish” (em inglês ele faz referência ao sol e não à lua).
Os pescadores que encontraram o espécime na Indonésia tentaram salvar o animal, que se estava em estado crítico. Tentou-se arrastar o peixão até o mar, mas a maré impediu o sucesso da empreitada e o peixe-lua morreu. Ele tinha cerca de dois metros de comprimento, mas a espécie pode ultrapassar o dobro desse tamanho! Além disso, apesar da boquinha pequena, eles não conseguem fechá-la totalmente. Agora você já sabe como apelidar aquele amigo gordinho e linguarudo, não é mesmo?
Apesar do esforço da comunidade, o peixe-lua morreu na praia

2 de mai de 2015

HoloLens vai custar mais caro do que consoles de última geração

Um executivo da Microsoft, que preferiu ficar no anonimato, afirmou que o HoloLens, os óculos de realidade virtual e holografia da empresa, serão vendidos por preços maiores do que os dos consoles de última geração. A informação foi veiculada pelo jornal The New York Times.
Com isso, se levarmos em conta que PlayStation 4 e Xbox One em suas edições convencionais não custam mais do que US$ 400, a lógica é que o inovador dispositivo da Microsoft seja comercializado por valores que fiquem na faixa dos preços de Smartphone e notebooks mais potentes, ou seja, possivelmente entre US$ 500 e US$ 1 mil.
Esse preço elevado se explica, em teoria, pelo alto valor agregado das tecnologias empregadas no desenvolvimento e fabricação do dispositivo. No meio de tantos outros óculos de realidade virtual, o HoloLens se destaca por oferecer experiências e recursos únicos, como a possibilidade misturar imagens interativas entre o mundo virtual e o real.

1 de mai de 2015

Hollywood quer o fim dos sites de torrent ainda hoje

Para a Motion Picture Association of America (MPAA), o dia 1 de maio de 2015 deveria marcar a extinção dos sites de torrent da internet. De acordo com informações do site TorrentFreak, o vice-presidente da MPAA, Jan Van Voon, enviou comunicados aos maiores sites europeus do ramo, exigindo que eles saiam do ar em até 24 horas. 
“Essa notificação exige que o site imediatamente tome medidas efetivas para encerrar e impedir a violação de direitos autorais. Todas as possibilidades de baixar, transmitir ou acessar conteúdos relacionados ao entretenimento devem ser desabilitadas para sempre”, destacou Voon em seu comunicado. 
Até o presente momento, as ameaças da MPAA tiveram pouco impacto e somente um site pequeno e pouco conhecido – o MicroMKV – encerrou suas atividades. Ainda segundo o TorrentFreak, não está definido se a MPAA tomará alguma medida legal além das notificações por conta do não cumprimento do seu ultimato.
“Essa medida é parte da estratégia da MPAA para conter as infrações de direitos autorais e encorajar os consumidores a usarem apenas fontes legais de conteúdo, aumentando a viabilidade e qualidade desses serviços que pagam seus criadores pelo trabalho realizado”, completa a Associação em sua nota oficial.